A nova casa editorial de Hilda Hilst

8 de dezembro , 2016

Desde julho deste ano, a obra de Hilda Hilst ganhou um novo lar no mercado editorial: a Companhia das Letras. Alguns meses depois da mudança, as ideias para novas publicações dos textos da autora começam a tomar uma forma mais concreta: no primeiro semestre de 2017, chega às livrarias um volume reunindo a poesia completa de Hilda — 25 livros publicados de 1960 a 1995 e mais alguns poemas inéditos, encontrados na Sala de Memória Casa do Sol e no acervo da Unicamp.

13 autores na estante de Hilda Hilst

30 de novembro , 2016

Além de escritora grandiosa, Hilda Hilst foi também uma leitora dedicada. As horas diárias de estudos em seu escritório na Casa do Sol eram essenciais para seu processo criativo — e lá, ela examinava dos clássicos da literatura às teorias de física quântica. Consultamos Olga Bilenky (artista, moradora da Casa do Sol e amiga da escritora por 40 anos) e Luiza Novaes (diretora técnica do acervo Sala de Memória Casa do Sol) e preparamos uma lista das leituras mais caras à Hilda.

Clube Obscena Lucidez: preservando a memória de Hilda Hilst

24 de novembro , 2016

Parte importante do lucro com o Clube Obscena Lucidez é destinada à preservação da Casa do Sol e à continuidade das atividades do IHH. Ao mesmo tempo, o instituto concretiza a ideia de colocar em circulação o conteúdo do acervo de Hilda Hilst. “Queremos dar visibilidade às pérolas deixadas por Hilda. Muitos materiais preciosos não chegariam ao público por caminhos normais do mercado”, diz Daniel.

Programa de Residências: Simone Campos

21 de novembro , 2016

Nenhum lugar poderia ser mais visitável nesse ponto da minha jornada do que a Casa do Sol, onde desde os anos 1960, Hilda Hilst e outros pensadores dos mais diversos campos congregavam, se divertiam e criavam. Seus amigos e descendentes de letras e artes uniram forças para continuar esse legado, e hoje a Casa do Sol é uma residência artística, um patrimônio imaterial e muito mais.

Quem está na Obscena Lucidez?

17 de novembro , 2016

Nem só de Hilda Hilst é feito o Clube Obscena Lucidez. A escritora, claro, é a estrela das caixas mensais, mas ao abri-las, os membros do clube de assinaturas hilstiano encontram outros tipos de surpresa. As reproduções exclusivas de materiais do acervo de Hilda (a cada mês uma diferente) são as protagonistas da empreitada, mas o esforço da curadoria do Instituto Hilda Hilst é para diversificar a experiência dos associados.

Clube Obscena Lucidez apresenta: Laerte

7 de novembro , 2016

O primeiro item do legado da autora que o IHH compartilha com os membros do Clube Obscena Lucidez é uma das mais gratas e inusitadas surpresas da Sala de Memória: um desenho original da cartunista Laerte dedicado a Hilda Hilst. Com a bênção de Laerte, a obra ganha uma tiragem inédita e numerada, exclusiva para os assinantes da primeira caixa do clube.

Instituto Hilda Hilst apresenta: Obscena Lucidez

31 de outubro , 2016

Chegou o Clube Obscena Lucidez, o mais novo projeto do Instituto Hilda Hilst: um clube de assinaturas do universo hilstiano e literário. Todo mês os membros recebem uma caixa contendo reproduções inéditas dos materiais encontrados na Sala de Memória Casa do Sol e objetos relacionados à memória de Hilda Hilst e seus gostos pessoais. E começamos com um exclusivo Laerte!

A vida animada da Fadinha Filó

15 de julho , 2016

Filó, a fadinha “lésbica, gorda e miúda” de Bufólicas, vai sair dos livros e ganhar vida em uma animação do estúdio Leite Filmes. O curta está em fase de finalização e, enquanto os leitores de Hilda Hilst aguardam, com ansiedade, sua chegada em festivais, Sávio Leite, um dos idealizadores, conta um pouco sobre o trabalho de adaptar a poesia escrachada da escritora para o mundo dos desenhos animados.

É bom ser estranho e velho

10 de julho , 2016

Talvez seja perigoso, nestes tempos sombrios, lembrar da proposta de ação terrorista feita por Hilda Hilst no começo dos anos 1990. A ideia aparece de relance em Cartas de um sedutor (1991) e em algumas entrevistas e crônicas, especialmente na de 3 de maio de 1993: “Gente, eu já estou uma fúria e para ficar mais calma proponho algumas coisas mais sutis, por exemplo: o Esquadrão Geriátrico de Extermínio, a sigla óbvia seria EGE.”

Por que visitar a casa de um escritor

7 de julho , 2016

No último sábado (2), o Instituto Hilda Hilst participou do I Encontro de Casas-Museus Literários, em São Paulo. Iniciativa da Casa Guilherme de Almeida, o evento pretende ser o primeiro de uma série anual, buscando estabelecer o contato entre as casas do gênero e mobilizar uma rede de troca de experiências e demandas comuns. “A ideia é criar uma rede temática de casas museus-literários em todo o país, entender dificuldades de cada uma, descobrir que trocas podemos fazer. Juntos, ficamos mais fortes no contexto paulista e nacional”, explicou o diretor da casa anfitriã, Marcelo Tápia.